A nova epidemia de coronavírus é uma grande preocupação global de saúde. Para ajudar a impedir a propagação do novo vírus, organizações e empresas estão permitindo que os funcionários trabalhem remotamente. Essa prática ajuda a limitar o contato individual com grandes grupos ou multidões (por exemplo, restaurantes, escritórios, trânsito), onde os vírus podem se espalhar facilmente.

Como tal, “fique em casa” é uma frase usada em muitas regiões preocupadas com a saúde nesta semana. Segundo a BBC, a cidade de Suzhou disse que as empresas permanecerão fechadas até 8 de fevereiro, se não mais. Em 2018, Suzhou tinha uma população de mais de 10,7 milhões de pessoas.

Em 30 de janeiro, a Organização Mundial da Saúde classificou o surto como uma emergência de saúde global. Em resposta, o Departamento dos EUA emitiu um aviso de viagem de nível 4 para a China (não viaje). O Departamento de Estado também ordenou que todo o pessoal não emergencial dos EUA e seus familiares partissem da região de Wuhan.

Precauções como essas estão causando aumentos inesperados nos trabalhadores remotos; e muitas organizações não possuem licenças de rede virtual privada (VPN) suficientes para acomodar o aumento de usuários. Esse é um risco sério, pois os funcionários não terão acesso aos recursos do negócio ou, pior, o farão por meio de conexões não seguras.

As organizações e empresas nas áreas afetadas devem revisar seus planos de continuidade de negócios. A National Law Review publicou uma cartilha útil para empregadores e organizações que gerenciam forças de trabalho suscetíveis ao surtos de coronavírus. Além disso, conheça as 5 principais práticas da SonicWall para garantir a continuidade dos negócios. ”

O que é o Coronavírus?

O coronavírus (COVID-19) é uma doença respiratória identificada pela primeira vez em Wuhan, China, mas desde então foram relatados casos no Brasil, EUA, Canadá, Austrália, Alemanha, França, Tailândia, Japão, Hong Kong e muitos outros países. Em um esforço para conter o vírus, as autoridades chinesas suspenderam as viagens aéreas e ferroviárias na área ao redor de Wuhan.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), os primeiros pacientes do surto na China “supostamente tinham alguma ligação com um grande mercado de frutos do mar e animais, sugerindo a disseminação de animais para pessoas. No entanto, um número crescente de pacientes não tiveram exposição ao mercado de animais, indicando a ocorrência de disseminação de pessoa para pessoa. No momento, não está claro o quão fácil ou sustentável esse vírus está se espalhando entre as pessoas. ”

A atualização mais recente da situação está disponíveis no CDC: 2019 Novel Coronavirus, Wuhan, China.

LEIA MÁTERIA COMPLETA AQUI!